Painel WW
Painel WW
  • 269
  • 36 998 002
  • 100
  • Aderiu a 12 Abr 2018
Painel WW é um projeto liderado pelo jornalista, autor e palestrante William Waack, que tem como peça principal um programa semanal de debate realizado ao vivo sempre às sextas-feiras, às 14:00hs (horário de Brasília).
É transmitido pelo site oficial www.painelww.com.br, pelo canal do Painel WW no BRvideo e pela página do Painel WW no Facebook. Fica disponível em todos esses ambientes.
O projeto inclui comentários diários de William Waack, divulgados diariamente no videoblog hospedado no site oficial do Painel WW.

Video
Para o Brasil, gostinho de Curdistão - William Waack comenta
Para o Brasil, gostinho de Curdistão - William Waack comenta
Dia atrás
Donald Trump fez fila de aliados desconfiados da validade das promessas e das palavras do presidente americano. Situação no Oriente Médio se complicou ainda mais depois de Trump abandonar aliados curdos com os quais formou uma aliança para derrotar terroristas do Estado Islâmico. Na Europa, Oriente Médio, Ásia e, agora, América do Sul muita gente pergunta se o que Trump diz aos amigos realmente vale. O presidente brasileiro tem por ele verdadeira adoração. Comentário 14/10/2019
PainelWW - Por quê os políticos não  fazem a Reforma Política? - 10/10/2019
PainelWW - Por quê os políticos não fazem a Reforma Política? - 10/10/2019
5 dias atrás
As cenas da vida doméstica na política brasileira não são para fracos. Tome-se o casamento entre Jair Bolsonaro e o PSL, que atravessa profunda crise conjugal. O que nos diz sobre a paisagem político partidária brasileira? E como ela promete mudar, depois das eleições do ano passado? Ou essas eleições não mudaram tanto assim as regras do jogo político no País? Teríamos uma outra política se já estivessem valendo elementos tão discutidos da reforma política, mas até agora não implementados? Depende também de um projeto que tramita no Congresso e propõe o sistema de voto distrital misto. Ou seja, combina o atual voto proporcional com o voto por distritos nas eleições de deputados federais, estaduais e vereadores. Senadores e executivo seguiriam as mesmas regras de hoje. A Lei 9.212/2017, proposta pelo senador do PSDB José Serra, já foi aprovada no Senado mas aguarda a decisão da Câmara. O assunto foi tema aprofundado pelo jornalista José Fucs no jorna O Estado de S. Paulo. Ele apresenta um estudo do Centro de Liderança Política (CLP), com apoio da Analítica Consultoria, que faz uma simulação de como seriam os resultados das últimas eleições caso o novo sistema já estivesse em uso. Temas similares vem sendo discutidos. Confira aqui: www.estadao.com.br/infograficos/politica,como-o-voto-distrital-misto-pode-mudar-as-eleicoes-no-pais,1039384 Convidados: • LARA MESQUITA Pesquisadora do Centro de Política e Economia do Setor Público na Fundação Getúlio Vargas - CEPESP/FGV • LUIZ FELIPE D´ÁVILA Cientista Político, fundador do Centro de Liderança Pública e Publisher do Virtu News • MURILLO DE ARAGÃO Arko Advice Consultoria Política e professor visitante da Columbia University em Nova Iorque
Trump se complica no Oriente Médio - William Waack comenta
Trump se complica no Oriente Médio - William Waack comenta
7 dias atrás
Em busca de resultados eleitorais de curto prazo, o presidente americano abandonou aliados com os quais lutou para vencer os terroristas do Estado Islâmico em território sírio, criando ainda mais problemas estratégicos, ampliando a capacidade de atuação de seus principais adversários na região, o Irã e a Rússia. O sinal dado pelo presidente americano ao abandonar os curdos à própria sorte -- a Turquia quer esmaga-los -- repercutiu mal inclusive entre os sauditas e israelenses, principais amigos dos EUA na área. Comentário 08/10/2019
A grande ambição de Bolsonaro - William Waack comenta
A grande ambição de Bolsonaro - William Waack comenta
8 dias atrás
Aos 10 meses o governo articula uma ambiciosa ação em torno de reformas do Estado, dos tributos, das carreiras de servidores públicos e da distribuição de recursos entre os entes da federação. O Ministério da Economia quer atacar exatamente o conjunto de atores políticos que tem a melhor capacidade de defesa e manutenção dos próprios direitos: os servidores públicos. O foco da reforma administrativa, que já está sendo tratada com o presidente da Camara dos Deputados, é mudar substancialmente um país que gasta com as carreiras públicas proporcionalmente muito mais do que nações ricas e desenvolvidas. Comentário 07/10/2019
Tudo pendurado na grana - William Waack comenta
Tudo pendurado na grana - William Waack comenta
13 dias atrás
Senado aprova em 1a leitura a reforma da previdência, em meio a uma difícil negociação sobre a repartição dos recursos da cessão onerosa da exploração do pré-sal. Estados e municípios quebrados querem abocanhar uma fatia maior, negociam duro com o governo um pacote só: ajudam a aprovar com os senadores a reforma da previdência se levarem mais grana. Comentário 02/10/2019
A Lava Jato em recuo - William Waack comenta
A Lava Jato em recuo - William Waack comenta
15 dias atrás
Entendida como movimento político, a Lava Jato está em recuo. Alguns dos piores golpes contra esse movimento, que conta com extraordinário apoio popular, foram dados pelo próprio ex-chefe do Ministério Público, Rodrigo Janot -- o pior deles, anos atrás, foi conceder aos irmãos Batista praticamente um certificado de impunidade. Mas a Lava Jato enfrenta hoje uma considerável e ampla reorganização de forças e instâncias políticas empenhadas em impedir que os "de fora" -- os procuradores, por exemplo -- assumam o controle das decisões das esferas da política. Comentário 30/09/2019
PainelWW - Os Superministros têm poderes? - 27/09/2019
PainelWW - Os Superministros têm poderes? - 27/09/2019
18 dias atrás
Bolsonaro foi eleito para tratar de dois super desafios, crime e dívida -- taxas de criminalidade, combate à corrupção e crescimento da economia. Com dois super ministros. Diante das dificuldades políticas, esses super ministros que tamanho possuem hoje? O governo está sendo capaz de definir eixos estratégicos? E qual o ambiente político depois de recentes decisões do STF que significam um freio à Lava Jato? E o governo está conseguindo enfrentar as pressões internacionais? Esta edição do Painel WW é uma abrangente análise dos acontecimentos da última semana. . RICARDO SENNES Economista e doutor em ciência política. Diretor da Prospectiva Consultoria e Senior Fellow do CEBRI, no Rio de Janeiro, e do Atlantic Council, em Washington • JOSÉ ÁLVARO MOISÉS Cientista Político, é professor titular aposentado do DCP-USP. Foi secretário nacional de audiovisual (1999-2002) do Ministério da Cultura. Atualmente, é membro do International Social Sciences Council da UNESCO, diretor científico do Núcleo de Pesquisa de Políticas Públicas e coordenador do Grupo de Trabalho sobre a Qualidade da Democracia do Instituto de Estudos Avançados da USP. . JOSÉ AUGUSTO GUILHON ALBUQUERQUE Cientista político, é professor titular aposentado do DCP-USP. Pesquisador do Núcleo de Pesquisa Públicas e coordenador do Grupo de Trabalho sobre a Qualidade da Democracia do Instituto de Estudos Avançados da USP
Uma onda está virando - William Waack comenta
Uma onda está virando - William Waack comenta
19 dias atrás
O STF formou maioria em torno de tese que tem o potencial de anular dezenas de condenações na Lava Jato, e milhares de outras em processos penais iniciados através de delações. As consequencias jurídicas são complicadas e deverão trazer um arrepio de consternação em vários setores do Judiciário, como já ocorreu com recente inquérito paralisado, a pedido do senador Flavio Bolsonaro, pelo fato de órgãos investigativos terem trocado informações entre si sem o necessário endosso da justiça. O que aconteceu no STF nesta quinta feira precisa ser visto em conjunto com outros fatos recentes, como a aprovação de uma lei contra o abuso de autoridade, o rearranjo das atividades dos órgãos de investigação promovidos pelo próprio Executivo, a nomeação de um novo PGR, que sugeriu, entre outras coisas, algumas correções na Lava Jato. A operação em si prossegue como sempre, mas a força política apelidada de "lavajatismo" está levando uma forte freada de arrumação atrás da outra. A Jair Bolsonaro apresenta-se uma situação política delicada, na qual ele terá de manobrar entre a evidente decepção de muitos de seus seguidores, incondicionais apoiadores do lavajatismo, e que cobram dele o mesmo tipo de postura. É uma manifestação típica de ondas disruptivas como a que levou Bolsonaro à vitória em 2018: forças políticas até antagônicas convergem diante de um adversário comum, para depois disputarem o poder entre si. Nessa disputa, é evidente a reorganização de forças políticas que, não importa o motivo, se sentiram acuadas pela Lava Jato, um fenômeno de indignação popular que, através de seus expoentes, foi até aqui capaz de controlar em boa medida decisões da esfera política. Essa onda está virando. Comentário 26/09/2019
Uma terça para esquecer - William Waack comenta
Uma terça para esquecer - William Waack comenta
21 dia atrás
O discurso de Jair Bolsonaro na ONU foi dirigido para o público interno e não alterou uma situação internacional na qual o Brasil sofre severas pressões políticas. O tipo de pressão que o governo brasileiro tem de enfrentar mudou de patamar: vem agora de grandes empresas e grandes investidores. O histórico da terça feira na qual Bolsonaro discursou na ONU foi a abertura no Congresso americano de um procedimento de impeachment contra Donald Trump, que o presidente brasileiro fez questão de elogiar em seu discurso. E por uma derrota imposta pelo Senado ao governo brasileiro, com a derrubada de vetos presidenciais a itens da lei recentemente aprovada na Camara contra o abuso de autoridade. Comentário 24/09/2019
O Brasil tinha lições a dar na ONU, mas... - William Waack comenta
O Brasil tinha lições a dar na ONU, mas... - William Waack comenta
22 dias atrás
Jair Bolsonaro discursa na ONU numa posição defensiva, embora vá ressaltar o óbvio direito de soberania brasileira sobre a Amazonia. As questões climáticas foram tratadas em Nova Iorque às vésperas da Assembléia Geral das Nações Unidos com uma importante participação de mais de 60 países, mas o Brasil não assumiu nenhum papel de ponta, embora tenha condições de dar lições aos outros. Grandes multinacionais, grandes bancos e grandes investidores estão sob forte pressão de público e governos para agirem frente à mudanças climáticas em geral e à preservação da floresta amazônica em especial. É um tema de enorme relevância mundial, no qual o Brasil perdeu no momento seu papel de liderança e articulação de debates, e se deixou ficar sob pesada pressão. O governo começa a reagir, mas serão cobrados resultados práticos. Comentário 23/09/2019
Bolsonaro e a política como ela é - William Waack comenta
Bolsonaro e a política como ela é - William Waack comenta
26 dias atrás
Dois fatos importantes vão obrigar Jair Bolsonaro a tomar decisões políticas que não vão agradar a todos, muito menos à sua base eleitoral. O primeiro é a lei pela qual a Camara dos Deputados facilita a partidos e políticos gastar dos fundos públicos que financiam campanhas eleitorais. O segundo é o que fazer em relação ao líder do governo no Senado depois que a Polícia Federal efetuou ação de busca e apreensão no gabinete dele no Congresso. A PF o acusa de ter recebido propina enquanto era ministro de Dilma, em 2016. As duas decisões são difíceis, e ambas se relacionam à Lava Jato e como a classe política enfrenta o combate à corrupção. Comentário 19/09/2019
PainelWW - O Populismo veio para ficar? - 18/09/2019
PainelWW - O Populismo veio para ficar? - 18/09/2019
28 dias atrás
A próxima edição do PainelWW será a de número 50. Lançado em abril de 2018, o programa já recebeu mais de 150 convidados para abordar os temas que mais preocupam o público brasileiro: das eleições às crises dos governos federal e estaduais e do Congresso, passando por questões econômicas e temas internacionais. Um dos mais relevantes é a natureza das transformações recentes no sistema das relações internacionais. A pergunta central se refere à profundidade e direção dessas mudanças, e se compõe um quadro permanente ou apenas passageiro. O fenômeno mais próximo e evidente é o do populismo em países de vários continentes, e o desafio que sugerem à ordem internacional tal como estabelecida desde o final da Segunda Guerra Mundial. O próximo PainelWW reúne três especialistas em Relações Internacionais convocados para analisar essa questão de forma abrangente e ampla. Será que todos nós conseguimos captar as transformações ao nosso redor, e somos capazes de identificar e separar o que é passageiro daquilo que veio para ficar? Ao completar sua edição de número 50 o Painel WW comemora números expressivos: até setembro de 2019, apenas no BRvideo, o programa acumulou mais de 28 milhões de visualizações, quase 340 milhões de impressões (total de pessoas atingidas) e quase 650 mil inscritos. É considerado um dos principais projetos jornalísticos brasileiros do BRvideo.
Eleição israelense é lição para o Brasil - William Waack comenta
Eleição israelense é lição para o Brasil - William Waack comenta
28 dias atrás
Resultado indefinido de eleição em Israel coloca o até aqui primeiro ministro Benjamin Netaniahu diante de severas dificuldades para continuar no cargo. Ele era uma aposta pessoal nas relações entre o Brasil e Israel, como ocorreu também em relação à Itália, Argentina e Estados Unidos. As relações internacionais são o terreno por definição da impessoalidade. Governos que apostam nos laços pessoais, como acontece com o atual governo brasileiro, acaba enfrentando mais dificuldades. Comentário 17/09/2019
O recente choque do petróleo. William Waack comenta
O recente choque do petróleo. William Waack comenta
29 dias atrás
Os impactos dos atentados que diminuíram a produção de petróleo da Arábia Saudita para o Brasil, a Petrobrás, os caminhoneiros e as decisões políticas domésticas, e as consequências para a situação internacional. Neste choque do petróleo as preocupações não são em relação à escassez do produto. São em relação às tensões geopolíticas, que explicam a gravidade do acontecimento. Comentário 16/09/2019
Reza para não ter imposto. William Waack comenta
Reza para não ter imposto. William Waack comenta
Mês atrás
Com os níveis dos gastos públicos, e as dificuldades de cortar despesas, o governo dificilmente escapa de inventar mais impostos. Cortar os gastos via corte de despesas demora e é complicado politicamente. Esperar que a arrecadação aumente demora também, a economia ainda está andando devagar. Uma boa notícia, como o novo marco das telecomunicações, que deve atrair muitos investidores e oferecer melhores serviços, leva mais de 1 ano para ter efeitos. Enquanto isso o governo faz o que? Comentário 12/09/2019
PainelWW - Vamos derrubar o teto? - 11/09/2019
PainelWW - Vamos derrubar o teto? - 11/09/2019
Mês atrás
A situação do governo Bolsonaro não é fácil. A economia está demorando a acelerar e o governo precisa gastar. Mas gastar como, se existe o teto que limita os gastos públicos? Como voltar a investir? E como cortar despesas, um difícil problema político? Esta edição do Painel WW reúne três economistas de diferentes tendências - Unicamp, Insper e FGV - para debater: como o governo pode sair da camisa de força da crise fiscal e do orçamento engessado e que possibilidades tem de reaquecer a economia? Este programa foi gravado antes da demissão do secretario da Receita Federal Marcos Cintra Os convidados são: • GUILHERME MELLO Economista, é professor do Instituto de Economia da Unicamp • MARCOS MENDES Economista, é professor do Insper • SAMUEL PESSÔA Economista, é professor da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo
Beijo Gay e insegurança jurídica - William Waack comenta
Beijo Gay e insegurança jurídica - William Waack comenta
Mês atrás
A tentativa de censura da Bienal do Rio foi travada pelo STF - o mesmo que já tentou censurar publicações. Insegurança jurídica é a grande característica da política brasileira atual, quando não se tem ideia de como tribunais nas várias instâncias vão decidir, e qual o papel final da nossa suprema corte. Comentário 08/09/2019
PainelWW - A Lei e o Veto  - 06/09/2019
PainelWW - A Lei e o Veto - 06/09/2019
Mês atrás
O presidente Jair Bolsonaro tem até esta quinta-feira, dia 05 de setembro, para usar sua caneta e vetar alguns itens e temas da chamada Lei de Abuso de Autoridade, que foi votada pelo Congresso no dia 15 de agosto. O Painel WW pega o gancho e debate as consequências políticas e jurídicas da medida. Qual base eleitoral vai irritar ou adoçar? E quais as consequencias políticas da nomeação do novo Procurador Geral da República? A Lava Jato ganha ou perde força? Os convidados: • BOLIVAR LAMOUNIER Cientista Político, é diretor-presidente da Augurium Consultoria. Entre muitas atividades, integrou a Comissão de Estudos Constitucionais em 1985 para preparar o anteprojeto da Constituição - o que é importante para o programa de hoje. Tem vários livros publicados, oferece cursos pela internet e escreve periodicamente no Estadão • JOSÉ EDUARDO FARIA Doutor em Direito e em Filosofia, é professor da Faculdade São Francisco e da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo. Também escreve para o jornal Estado de S.Paulo • RAFAEL CORTEZ É doutor em Ciência Política e sócio da Tendências Consultoria.
O furo no teto - William Waack comenta
O furo no teto - William Waack comenta
Mês atrás
Situação política obriga o governo a pensar em gastar, mas está preso ao orçamento engessado, à indexação das despesas obrigatórias e ao limite de gastos públicos. Governadores já não cumprem a Lei de Responsabilidade Fiscal e pedem à União ajuda para controlar as próprias contas. Bolsonaro está dizendo que é necessário pensar em algum tipo de flexibilização do teto de gastos. Não vai ser fácil, pois boa parte da credibilidade da equipe de Paulo Guedes depende de convencer credores, investidores e agentes econômicos da seriedade com que o governo controla suas contas. Comentário 04/09/2019
Bolsonaro e as pesquisas - William Waack comenta
Bolsonaro e as pesquisas - William Waack comenta
Mês atrás
Se você presta atenção em pesquisas de opinião, ou se as despreza completamente, há boas perguntas a serem respondidas. E elas ajudam a entender as táticas políticas de Bolsonaro no momento. Comentário 02/09/2019
Economia: agora vai? William Waack comenta
Economia: agora vai? William Waack comenta
Mês atrás
Comemora-se números melhores de crescimento e trabalho, mas a economia está mesmo iniciando um período longo de crescimento? Quais são os cenários externos e interno que ajudam a entender que oportunidades estão se abrindo? Comentário 30/08/2019
PainelWW - A vigilância foi longe demais?  - 28/08/2019
PainelWW - A vigilância foi longe demais? - 28/08/2019
Mês atrás
Chegou a hora de fiscalizar os fiscais, controlar os controladores, frear os procuradores? O Brasil passou da leniência no trato da gestão pública ao excesso de vigilância? A segunda turma do STF acabou de anular uma sentença condenatória proferida pelo então juiz da Lava Jato Sergio Moro. Jair Bolsonaro tem de aprovar ou vetar uma lei que pune abuso de autoridade, ao mesmo tempo em que o presidente critica e interfere em órgãos de controle e fiscalização como Receita Federal. Qual é a atmosfera política do momento? Ela favorece controlar os controladores, frear os procuradores? Como fica com a administração pública, virtualmente paralisada com temor de fiscalização dos órgãos de controle como TCU? Esses são os temas para o debate de William Waack com seus convidados. O Painel WW vai reunir um jurista renomado com dois professores especializados em Administração Pública - uma da Unicamp e outro da FGV-RJ -, inclusive com passagens por Ministérios. • FRANCISCO GAETANI É coordenador do Mestrado Profissionalizante da EBAPE da Fundação Getúlio Vargas do Rio de Janeiro. Foi Secretário Executivo do Ministério do Meio Ambiente e Presidente da Escola Nacional de Administração Pública. • MILENA PAVAN SERAFIM É Professora Doutora do curso de Administração Pública da Faculdade de Ciências Aplicadas e também dos Programas de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências humanas e Sociais e em Política Científica e Tecnológica - todos na UNICAMP, a Universidade Estadual de Campinas. Trabalhou na gestão de programas do Ministério do Desenvolvimento Social (em 2005 e 2006) e como consultora PNUD no Ministério da Saúde (em 2005). • WALTER FANGANIELLO MAIEROVITCH. Jurista, é desembargador aposentado do Tribunal de Justiça de São Paulo e professor de Direito Penal, Processual Penal e Penitenciário.
O dinheiro do G7 - William Waack comenta
O dinheiro do G7 - William Waack comenta
Mês atrás
O Brasil se entende com o G7 sobre doação para combater queimadas na Amazônia, enquanto os presidentes do Brasil e da França continuam empolgando os próprios eleitores através de embates por redes sociais. Os militares e Bolsonaro adotam o mesmo discurso sobre a necessidade de preservar a soberania brasileira, mas o que torna a atuação situação de crise de queimadas tão parecida à outras é o fato do Estado brasileiro não consegui proteger suas fronteiras, ordenar a exploração do próprio território e combater os crimes que tornam regiões da Amazônia em "terra de ninguém".
O G7, o Brasil e a Amazônia - William Waack comenta
O G7, o Brasil e a Amazônia - William Waack comenta
Mês atrás
O Brasil reconhece a gravidade do problema, o G7 promete ajudar respeitando a soberania de cada país afetado por queimadas. O calor do fogo da crise sobre o desmatamento diminuiu um pouco, mas o dano à imagem do Brasil no exterior é grave e permanece. Pressão interna e externa fizeram o governo brasileiro agir para diminuir a pressão externa. Comentário 25/08/2019
A devastação da imagem do Brasil - William Waack comenta
A devastação da imagem do Brasil - William Waack comenta
Mês atrás
O Brasil enfrenta por conta das percepções generalizadas em relação às políticas ambientais do governo de Jair Bolsonaro uma inédita crise de imagem internacional, que é perigosa e grave do ponto de vista dos interesses políticos e comerciais do País. Falta uma estratégia para enfrentar percepções que há muito deixaram de ser consequência de fatos, e estão sendo reforçadas pela postura de integrantes do governo. Comentário 22/08/2019
PainelWW - Nova Desordem Internacional - 21/08/2019
PainelWW - Nova Desordem Internacional - 21/08/2019
2 meses atrás
Painel WW volta a tratar de questões internacionais. E traz três especialistas em Segurança Internacional - um deles residente nos Estados Unidos, para cujo governo já prestou serviços de inteligência. O Brasil já sonhou em ser forte fabricante de armamentos, mas acabou se restringindo - e muito bem - com a Embraer. Mas o que interessa, hoje, são as novas formas de guerrear, que não necessariamente envolve armas, e sim inteligência, estratégia, tecnologia, softwares, hackers e muito mais. Como fica o Brasil diante das mudanças em tecnologia bélica que definirão o novo cenário de equilíbrio militar? • ALEXANDRE FUCCILE Professor de Relações Internacionais na Universidade Estadual Paulista, a UNESP, e ex-presidente da Associação Brasileira de Estudos de Defesa, a ABED • HUSSEIN KALOUT Cientista Político, é Pesquisador da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, e colunista da Revista Época. Foi Secretário de Assuntos Estratégicos da Presidência da República • SALVADOR RAZA É o criador da metodologia do “Critical Redesign”, utilizada em todo mundo para reformas institucionais da segurança e defesa. Veterano da Marinha brasileira, trabalhou para o Departamento de Defesa dos Estados Unidos. É Professor da Análise de Conflitos e Projeto de Força. Também presta consultoria em Transformação Estratégica e Tecnológica. E dirige o CeTris Internacional, com sedes no Brasil, Guatemala e Estados Unidos
Meu jatinho, minha vida - William Waack comenta
Meu jatinho, minha vida - William Waack comenta
Mês atrás
A divulgação pelo BNDES de uma lista de compradores de jatos da Embraer deu ainda mais ímpeto a uma discussão cheia de hipocrisia e totalmente fora do eixo quando se trata de examinar o papel de subsídios na indústria aeronáutica em particular e em vários segmentos relevantes da economia brasileira em geral. Comentário 20/08/2019
A sinuca para Bolsonaro - William Waack comenta
A sinuca para Bolsonaro - William Waack comenta
Mês atrás
A PL do Abuso da Autoridade aprovada pela camara obriga Jair Bolsonaro a tomar decisões que tem o potencial de desagradar a todo mundo: a Lava Jato, que se acha acuada e cerceada pelos políticos, ao Legislativo, que encontrou forças e organização para peitar a Lava Jato, e também parte do STF, que tomou decisão considerada favorável a um dos filhos do presidente. Comentário 18/08/2019
PainelWW - Qual é a agenda do governo - 14/08/2019
PainelWW - Qual é a agenda do governo - 14/08/2019
2 meses atrás
A agenda de verdadeira transformação da economia brasileira está apenas no começo. A abertura da economia, as prometidas desregulação, desburocratização e a liberdade para patrões e assalariados precisa ser tratado com uma série de reformas abrangentes. O que já está acontecendo e de que maneira? Quais são os cenários mais prováveis quando se pensa na simplificação de tributos, nos programas de concessões, privatizações e nas medidas infra constitucionais para melhorar o péssimo ambiente de negócios no País? Qual o impacto da situação da Argentina na agenda de reformas econômicas proposta pelo governo Jair Bolsonaro? • CARLOS KAWALL Economista-chefe do Banco Safra. Foi Secretário do Tesouro Nacional • LUIZ FERNANDO FIGUEIREDO É sócio fundador da Mauá Capital. Foi diretor de Política Monetária do Banco Central • SERGIO VALLE Economista-chefe da MB Associados, consultoria com forte foco em Agronegócio
Recado argentino 2 - William Waack comenta
Recado argentino 2 - William Waack comenta
2 meses atrás
A situação na Argentina oferece duas lições importantes para o público brasileiro. A primeira é o fato de que o mau desempenho da economia faz os eleitores se esquecerem rapidamente de quem foram os culpados pela situação, e abandonam o governo se a economia não melhora substancialmente. O segundo é o fato de que as relações internacionais são o campo da impessoalidade. Países em interesses, não tem amigos. Ao apostar na amizade com políticos na Argentina do mesmo espectro político, o governo brasileiro corre o risco substancial de ver os interesses do País serem prejudicados quando o "amigo" perde uma eleição, o mesmo valendo para Estados Unidos e Israel. O recado argentino é bem claro: estagnação econômica produz severos efeitos políticos colaterais que atingem em primeiro lugar o governo de plantão. Comentário 12/08/2019
PainelWW - A economia está andando para onde? - 09/08/2019
PainelWW - A economia está andando para onde? - 09/08/2019
2 meses atrás
Com a reforma da Previdência quase aprovada as expectativas em relação à economia estão agora no conjunto de reformas e medidas necessárias para tirar o Brasil da pior recessão da memória viva. O ajuste fiscal trazido pela reforma da Previdência é suficiente para mudar a trajetória perigosa das contas públicas? Ou o País continua refém do desequilíbrio dessas contas? E que tipo de reforma tributária está no forno? Com a aprovação da reforma da Previdência qual a agenda necessária agora? O programa debate também em que medida a sociedade brasileira estaria disposta a caminhar rumo à agenda econômica liberalizante proposta pela equipe de Paulo Guedes, e como o governo está se organizando no Congresso para as próximas reformas. Os convidados desta edição são: • LUIZ ALBERTO MACHADO Economista e assessor da Fundação Espaço Democrático • LUIZ CARLOS MENDONÇA DE BARROS Economista e engenheiro, foi presidente do BNDES e Ministro das Comunicações. Acaba de lançar sua marca LCMB - EXPERIENCE, com análises a partir do processo histórico no Brasil e no mundo • ZEINA LATIF Economista, é estrategista-chefe da XP Investimentos
Lula, Previdência e Moro. William Waack comenta
Lula, Previdência e Moro. William Waack comenta
2 meses atrás
As consequências para a política de decisões de grande impacto. A aprovação da previdência, de um eventual pacote anticrime e a postura do Supremo anulando a decisão de uma juíza de transferir Lula da carceragem da PF em Curitiba demonstram como é relevante e essencial a existência de uma base política coesa e coordenada. A Lava Jato está levando uma freada de arrumação por parte do Legislativo e do STF. Moro continua a figura mais popular do País, mas com menos capacidade de transformar popularidade em operação política. E o governo está aprendendo, a duras penas, que sem se organizar eficazmente no Legislativo dificilmente será capaz de implementar qualquer agenda política relevante nos seus próprios interesses. Comentário 08/08/2019
O custo da Imagem - William Waack comenta
O custo da Imagem - William Waack comenta
2 meses atrás
O custo Brasil para exportadores de commodities como produtos agrícolas se compõe de infraestrutura precária, regulação confusa ou opressiva, carga tributária pesada e complexa, falta de investimento público e privado e dificuldade de acesso a crédito. Um evento reunindo representantes de vários setores do mundo das finanças e do agro negócio em São Paulo agora fala de mais um componente do custo Brasil: a imagem do País está se deteriorando e atingiu níveis negativos alarmantes quando o assunto é meio ambiente e agro negócio. Comentário 05/08/2019
PainelWW - Insegurança jurídica: quando a Lei vale no Brasil? - 02/08/2019
PainelWW - Insegurança jurídica: quando a Lei vale no Brasil? - 02/08/2019
2 meses atrás
Duas decisões do STF tem enorme relevância para a luta contra a corrupção em especial e a política brasileira em geral. O material apreendido na ação da PF contra os hackers que invadiram mais de mil telefones, entre eles os de autoridades dos Três Poderes e expoentes da Lava Jato vai para o Supremo, que examinará se procuradores eventualmente mandaram investigar ministros da mais alta corte brasileira. E o Presidente do STF mandou parar inquéritos que faziam uso do compartilhamento de informações sigilosas como aquelas obtidas pela Receita Federal ou Coaf. É uma "freada de arrumação" contra a Lava Jato? Era necessária essa "freada de arrumação" dirigida sobretudo a figuras de proa na campanha anti corrupção? E como fica a política brasileira? Que decisões pode-se esperar do Supremo diante do ambiente criado com a publicação do material obtido de conversas privadas por estelionatários? Os convidados que examinam essas questões são: • FAUSTO DE SANCTIS Desembargador do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, aqui em São Paulo. Doutor em Direito Penal pela USP, é especializado em legislação de combate ao crime de lavagem de dinheiro e de colarinho branco. Participou da Operação Satiagraha. • FERNANDO ABRUCIO Cientista Político com doutorado na USP, é professor e pesquisador da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo. Atualmente, é Chefe do Departamento de Gestão Pública. • OSCAR VILHENA Diretor da Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo, leciona “Direito Constitucional”, “Direitos Humanos” e “Direito e Desenvolvimento”. Tem Mestrado em Direito pela Universidade de Columbia, em Nova York e Doutorado em Ciência Política pela USP. Foi Procurador do Estado em São Paulo.
Juros e Politica - William Waack Comenta
Juros e Politica - William Waack Comenta
2 meses atrás
Nos EUA e no Brasil as decisões das respectivas autoridades monetárias de redução de taxas de juros tem sabor e significado históricos. Mas há nos dois países preocupações com o desempenho das respectivas economias -- e suas óbvias implicações políticas. Comentário 31/07/2019
A língua solta de Bolsonaro. William Waack comenta
A língua solta de Bolsonaro. William Waack comenta
2 meses atrás
Jair Bolsonaro está avolumando as dificuldades políticas que enfrenta para governar ao pronunciar uma sucessão de frases disparatadas, algumas indignas e ofensivas. Comentário 29/07/2019
As consequencias dos diálogos da Lava Jato - William Waack comenta
As consequencias dos diálogos da Lava Jato - William Waack comenta
2 meses atrás
O que acontece na política, nas reformas e quais os aspectos jurídicos depois da prisão dos hackers que expuseram diálogos entre alguns dos principais expoentes da Lava Jato. Comentário 26/07/2019
PainelWW - VAI TER GUERRA? IRÃ E O FIM DOS ACORDOS NUCLEARES - 24/07/2019
PainelWW - VAI TER GUERRA? IRÃ E O FIM DOS ACORDOS NUCLEARES - 24/07/2019
2 meses atrás
A situação internacional tem um foco de crise agudo: o abandono, por parte dos Estados Unidos, do acordo que restringia as atividades do programa nuclear do Irã. E um de grande amplitude: o fim dos acordos nucleares que, desde o auge da Guerra Fria, limitavam os armamentos das super potências. Quais os desafios que essa dupla situação de tensão internacional coloca para o Brasil e sua declarada política de aproximação com os Estados Unidos? Os convidados desta edição são: • EDUARDO VIOLA Professor titular do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília, tem doutorado em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Foi professor visitante das universidades de Stanford, Colorado Notre Dame e Amsterdam. • ROBERTO GODOY Jornalista, escreve para O Estado de São Paulo. É considerado o maior especialista em armamentos. Ele mesmo diz que cobre a “Indústria da Defesa” e não a “Indústria Bélica”. • VINÍCIUS VIEIRA Professor do curso de Relações Internacionais da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo. É doutor pela Universidade de Oxford, além de outros títulos internacionais.
PainelWW - QUANTO VENENO O BRASILEIRO COME? - 19/07/2019
PainelWW - QUANTO VENENO O BRASILEIRO COME? - 19/07/2019
2 meses atrás
Quanto veneno as pessoas ingerem através de resíduos de agrotóxicos na comida não é apenas uma questão de saúde pública, é um tema de forte impacto na política doméstica e internacional, com relevância para o comércio exterior brasileiro e um de seus principais motores, o agronegócio. Infelizmente, uma discussão que deveria ser sobretudo técnica e baseada em argumentos racionais hoje é um debate apaixonado, politizado e ideologizado. A intenção desta edição do Painel WW é examinar alguns dos principais argumentos nessa discussão. Você não vai mais olhar da mesma maneira para os tópicos desse debate depois de assistir ao programa. Os convidados são: • CAIO CARBONARI Doutor em agronomia e professor do Departamento de Produção e Melhoramento Vegetal da Faculdade de Ciências Agronômicas da UNESP - campus Botucatu. Também é diretor da Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais. • ÁLVARO PULCHINELLI JR. Médico toxicologista, é doutor pela UNIFESP - Universidade Federal de São Paulo. Faz parte da equipe do Laboratório Fleury Medicina e Saúde. • XICO GRAZIANO Engenheiro Agrônomo e Doutor em Administração, é professor de Meio Ambiente e Agronegócio na MBA da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo. Também é consultor em organização, marketing de agronegócios e sustentabilidade e sócio-diretor da OIA/Certificação socioambiental. Foi deputado federal e Presidente do Incra.
PainelWW - O QUE FALTA PARA A ECONOMIA ARRANCAR? - 12/07/2019
PainelWW - O QUE FALTA PARA A ECONOMIA ARRANCAR? - 12/07/2019
3 meses atrás
Qual é o impacto da tão falada Reforma da Previdência no crescimento da economia brasileira? Tem fundamento o otimismo dos agentes de mercado com a maneira como o governo pretende tratar a questão fiscal? E da própria equipe de Paulo Guedes? Como fica a situação de Estados e municípios, até aqui não incluídos na reforma ? Tem condições o Congresso de empurrar adiante uma pauta econômica própria? Os três convidados desta edição do Painel WW tem grande experiência na área econômica e política, e participam diretamente da elaboração de agendas em discussão no Executivo e Legislativo Convidados: • ANA CARLA ABRÃO Economista, é sócia da Consultoria Oliver Wyman. • EDUARDO GIANNETTI Economista, professor e escritor. • PAULO HARTUNG Economista, ex-deputado estadual, federal e governador do Espírito Santo, hoje presidente da Ibá, a Indústria Brasileira de Árvores, associação que reúne a cadeia produtiva de árvores plantadas para fins industriais.
O que significa a reforma da Previdência - William Waack comenta
O que significa a reforma da Previdência - William Waack comenta
3 meses atrás
Talvez seja o fim de mais uma marcha da complacência. A reforma é necessária, mas não é suficiente para tirar o Brasil da estagnação. Comentário 10/07/2019
PainelWW - COMO É QUE FICA O BRASIL NO MUNDO? - 05/07/2019
PainelWW - COMO É QUE FICA O BRASIL NO MUNDO? - 05/07/2019
3 meses atrás
O significado do acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Européia. Abre-se uma nova era? A política externa brasileira na era de Jair Bolsonaro e Donald Trump. O que foi dito nos almoços e jantares entre o presidente brasileiro e americano em Washington, por alguém que participou e estava à mesa. Convidados são dois professores de relações internacionais com grande prestígio na área: GHUNTER RUDZIT , professor na ESPM e professor convidado de Segurança Internacional na Universidade da Força Aerea Brasileira, e GUILHERME CASARÕES , cientista político e professor da FGV de São Paulo. E SERGIO AMARAL, até recentemente embaixador brasileiro em Washington, e anfitrião do jantar que reuniu na capital americana o presidente Jair Bolsonaro e dois fortes influenciadores de seu governo, Steve Bannon e Olavo de Carvalho. Sergio conta os detalhes.
O acordo UE-Mercosul e a ideologia - William Waack comenta
O acordo UE-Mercosul e a ideologia - William Waack comenta
3 meses atrás
União Européia e Mercosul firmam acordo de livre comércio de grande impacto na política internacional, no momento no qual prevalecem forças protecionistas e contrárias a blocos supranacionais. São grandes as aberturas para o agronegócio brasileiro. Comentário 28/06/2019
PainelWW - LAVA JATO, VAZA JATO... - 26/06/2019
PainelWW - LAVA JATO, VAZA JATO... - 26/06/2019
3 meses atrás
Concorde-se ou não com as publicações de conversas privadas entre o ex-juiz Sergio Moro e Procuradores da República, elas provocaram um ponto de inflexão no Brasil. O cenário republicano mudou e o STF está prestes a julgar se o atual Ministro da Justiça cometeu ou não irregularidades. Por isso, William Waack promove um debate entre um respeitado advogado e uma ex-procuradora da República que tem opiniões divergentes sobre o tema. Como fiel da balança, um cientista político que acompanha o PainelWW desde o início. Até que pontos os hackers tomaram conta do cenário político brasileiro? Por que gravações clandestinas tomaram as manchetes dos jornais e das redes sociais? Moro irá ou não a julgamento no STF, justamente o lugar que já chamou de “paraíso” e sonho de todo juiz? Mesmo adiada, a pauta segue forte. Por todos os lados, juristas, acadêmicos e a sociedade em geral discutem a ética das conversas entre juiz e procuradores. E se fosse com a defesa? Nessa polarização, outros fatores entram em jogo: a Justiça funciona como terceiro poder que joga na política? O que mais se propõe no Brasil? A Lava Jato está em jogo ou apenas a pena de Lula pode ser revista? Todas essas questões estarão em debate no programa. Convidados: • ANA LUCIA AMARAL Aposentada, foi procuradora regional da República aqui em São Paulo. Em 2003, atuou na Operação Anaconda, que desarticulou uma quadrilha que negociava sentenças na Justiça Federal em São Paulo. • CARLOS MELO Cientista Político, é professor do Insper. • LUIS FRANCISCO CARVALHO FILHO Advogado criminal, é sócio do escritório Dias e Carvalho Filho. Presidiu a Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos Políticos entre 2001 e 2004. É colunista da Folha de São Paulo.
Making of PainelWW 19/06/2019
Making of PainelWW 19/06/2019
3 meses atrás
Bastidores da gravação do Programa Painel WW no dia 16/06/2019
PainelWW - QUAL A REFORMA MAIS IMPORTANTE? - 19/06/2019
PainelWW - QUAL A REFORMA MAIS IMPORTANTE? - 19/06/2019
3 meses atrás
A edição do ‘Painel WW’ reúne três ‘feras’: o mais longevo e experiente economista do Brasil, um economista com foco para a questão do agronegócios e um especialista em questões fiscais - inclusive com projeto de lei no Congresso Nacional. Mais do que isso, William Waack conversa com profissionais experientes que já passaram pelo Ministério da Fazenda em diferentes cargos, gestões e momentos. Curiosidade: todos estudaram na Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo. Para o atual Ministro da Economia, Paulo Guedes, todos os canhões estão voltados para a Reforma da Previdência. Será que ela basta? Ou é preciso afinar e ajustar outros ponteiros da economia brasileira, que insiste em patinar e não dar mostras de reação. E no meio de tantos debates, uma pergunta: como governar em meio a tantas crises e polêmicas, como a recente demissão do presidente do BNDES, Joaquim Levy, anunciada em entrevista para vários órgãos de imprensa pelo próprio Presidente Jair Bolsonaro? Como administrar e fazer gestão pública se alguns técnicos são vetados por ideologia pelo simples fato de terem trabalhado em governos anteriores? Convidados: • BERNARD APPY Economista, é diretor do Centro de Cidadania Fiscal. Foi Secretário Executivo, Secretário de Política Econômica e Secretário Extraordinário de Reformas Econômico-Fiscais do Ministério da Fazenda, entre 2003 e 2009. • DELFIM NETTO Economista e professor emérito da Faculdade de Economia da USP, é sócio da Ideias Consultoria. Foi Ministro da Fazenda e da Agricultura e deputado federal, inclusive durante a Constituinte de 1988. • JOSÉ ROBERTO MENDONÇA DE BARROS Economista, é sócio fundador da MB Associados, com foco principal no Agronegócio. Foi secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda entre 1995 e 1998.
Painel WW - O futuro da Lava Jato - 12/06/2019
Painel WW - O futuro da Lava Jato - 12/06/2019
4 meses atrás
A polêmica provocada pelo vazamento de diálogos do então Juiz Sérgio Moro, principal responsável da Justiça pela Operação Lava Jato e procuradores do Ministério Público Federal, especialmente Deltan Dallagnol, é o foco da edição 36 do ‘Painel WW’, em nova temporada 2019. William Waack recebe dois professores de Direito e um jornalista político. Os ‘grampos’ realizados por hackers estão sendo publicados em uma série de reportagens iniciada no último domingo, dia 09 de junho, pelo site "The Intercept Brasil", pelo jornalista americano e sócio do site, Glenn Greenwald. Os vazamentos tem dividido a opinião pública e partidos de oposição já tentam enquadrar o Ministro da Justiça no Congresso e no STF, assim como defendem a revisão do processo que envolve o ex-presidente Lula. CONVIDADOS: • JOSÉ EDUARDO FARIA Professor titular e chefe do Departamento de Filosofia e Teoria Geral do Direito da USP. Professor da Fundação Getúlio Vargas (Programa FGVLaw). Autor de “Justiça, Corrupção e Moralidade Pública”, que está sendo lançado pela Editora Perspectiva. • REINALDO AZEVEDO Jornalista. Tem Blog no UOL, coluna na Folha de São Paulo e é comentarista na Rádio Bandeirantes e Band News FM, onde também é âncora do programa "O É da Coisa". • RUBENS GLEZER Professor de Direito Constitucional da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo e coordenador do Centro de Pesquisa “Supremo em Pauta”. • Facebook: facebook.com/painelww • Instagram: instagram.com/painel_ww • Twitter: twitter.com/painelwwcerto • Site oficial: www.painelww.com.br
PainelWW - Bolsonaro reinventou a política ou não está sabendo fazer política? - 06/06/2019
PainelWW - Bolsonaro reinventou a política ou não está sabendo fazer política? - 06/06/2019
4 meses atrás
William Waack recebe um filósofo e dois cientistas políticos para abrir a nova temporada do Painel WW - 2019. O foco dessa edição são as tentativas de amenizar os desencontros entre os três poderes, num sistema político descrito como falido. Convidados: • EDUARDO GRIN Cientista Político, é professor e pesquisador do Departamento de Gestão Pública da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo. • LUIZ FELIPE PONDÉ Filósofo e escritor, é diretor do Laboratório de Política, Comportamento e Mídia da PUC-SP e professor da FAAP-SP. Em jornalismo, é comentarista do Jornal da Cultura (TV) e colunista da Folha de São Paulo. • FERNANDO SCHÜLER Professor do Insper, onde também é curador do Projeto “Fronteiras do Pensamento”. Tem doutorado em Filosofia e Mestrado em Ciências Políticas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, com Pós-Doutorado pela Columbia University, em NY. Assim como Pondé, também escreve para a Folha. Especialmente nesta edição de abertura da nova temporada, o Painel WW foi gravado no estúdio da redação do jornal O Estado de S. Paulo, no qual William Waack publica uma coluna semanal sempre às quintas-feiras. A última coluna, publicada em 30 de maio, abre a discussão para o programa desta semana. • BRvideo: brvideo.net/u/painelww-williamwaack • Facebook: facebook.com/painelww • Instagram: instagram.com/painel_ww • Twitter: twitter.com/painelwwcerto • Site oficial: www.painelww.com.br
Onde está o perigo para Bolsonaro - William Waack comenta
Onde está o perigo para Bolsonaro - William Waack comenta
4 meses atrás
As causas são múltiplas, mas o fato é que está se formando uma onda pessimista e de mau humor em relação à demora para a economia voltar a crescer. Alguns fatores de peso fogem ao controle do governo, que será o alvo inevitável desse clima de perda de confiança. Comentário 31/05/2019
Mais do mesmo - William Waack comenta
Mais do mesmo - William Waack comenta
4 meses atrás
As manifestações de domingo 26 não desapontaram ninguém, mas o Congresso continua com uma pauta própria, com ou sem governo, o que promete a continuação de um cenário político turbulento e complicado. Comentário 26/05/2019
As manifestações - William Waack comenta
As manifestações - William Waack comenta
4 meses atrás
O problema com as manifestações que Bolsonaro endossou é saber exatamente o que ele quer. E daí surgem os erros políticos. Comentário 24/05/2019
Setima Live - William Waack comenta
Setima Live - William Waack comenta
4 meses atrás
William Waack comenta atualidades
Semana pesada - William Waack comenta
Semana pesada - William Waack comenta
4 meses atrás
No embate entre Executivo e Legislativo, Bolsonaro dobrou a aposta no confronto. Vai dar certo? Comentário 20/05/2019
Se Bolsonaro acha que não governa, que fará? - William Waack comenta
Se Bolsonaro acha que não governa, que fará? - William Waack comenta
5 meses atrás
O presidente espalha por whatsapp um texto que o descreve como vítima de interesses que não consegue superar, e que o impedem de atender aos seus eleitores. O que ele se propõe a fazer, então? Comentário 17/05/2019
Live sobre o Trump - William Waack comenta
Live sobre o Trump - William Waack comenta
5 meses atrás
Comentario de William Waack sobre Donald Trump
Sexta Live - William Waack comenta
Sexta Live - William Waack comenta
5 meses atrás
Comenta rio de William Waack sobre atualidades
O que fará Bolsonaro com a Camara dos Deputados? William Waack comenta
O que fará Bolsonaro com a Camara dos Deputados? William Waack comenta
5 meses atrás
Legislativo impõe nova e significativa derrota política ao Executivo, que se mostra desorganizado e desarticulado na Camara dos Deputados. De que maneira Jair Bolsonaro irá lidar com os deputados para tentar levar adiante o que considera importante? Comentário 09/05/2019
Quinta Live - William Waack comenta
Quinta Live - William Waack comenta
5 meses atrás
Comentário ao vivo de William Waack sobre atualidades
Recado argentino - William Waack comenta
Recado argentino - William Waack comenta
5 meses atrás
A situação da Argentina é uma lição para Jair Bolsonaro. Reformas deixadas pela metade corroeram a popularidade do presidente e tornaram mais difícil uma performance da economia já debilitada. Comentário 03/05/2019
Insurreição na Venezuela - William Waack comenta
Insurreição na Venezuela - William Waack comenta
5 meses atrás
Qual a força da oposição e a tática dos países que a apóiam para derrubar a ditadura chavista de Nicolás Maduro. Comentário 01/05/2019
Meio ambiente e agro negócio. William Waack comenta
Meio ambiente e agro negócio. William Waack comenta
5 meses atrás
Um breve relato do que pude registrar de questões relativas ao Meio Ambiente e à Agricultura durante participação em evento dentro do Agrishow de Ribeirão Preto, um dos maiores do mundo. O relato não esgota a questão, apenas tenta apresentar alguns dilemas para o setor e o governo, e a necessidade de enfrentar uma difícil batalha da comunicação nacional e internacional, nas quais o agro negócio está em desvantagem. Comentário 29/04/2019
Correção video entrevista Lula. William Waack comenta
Correção video entrevista Lula. William Waack comenta
5 meses atrás
Problemas técnicos dificultaram acesso ao video original, uploaded na sexta feira, com comentário sobre a entrevista de Lula aos jornais Folha de S. Paulo e El Pais. Comentário novamente uploaded a 27/04/2019
Quarta Live - William Waack comenta
Quarta Live - William Waack comenta
5 meses atrás
Comentário ao vivo de William Waack sobre atualidades
Feliz Páscoa de 2020 - William Waack comenta
Feliz Páscoa de 2020 - William Waack comenta
5 meses atrás
Para a economia brasileira o ano de 2019 já acabou. Não será uma catástrofe, mas o crescimento ficará muito baixo para tirar o País da recesssão dos últimos três anos. Países que eram bem mais pobres do que o Brasil estão se aproximando depressa da renda per capita do brasileiro, enquanto o tamanho da nossa economia no PIB mundial apresentou o pior resultado dos últimos 38 anos. Comentário 21/04/2019
Terceira Live 2019 - William Waack comenta
Terceira Live 2019 - William Waack comenta
6 meses atrás
William Waack comenta as atualidades
Supremo praticou censura - William Waack comenta
Supremo praticou censura - William Waack comenta
6 meses atrás
Pano de fundo para mandar retirar reportagem do ar é uma luta brutal e cada vez mais aberta entre setores do STF e da política e integrantes de proa da Lava Jato sobre os limites, métodos e conduta da operação, com consequencias políticas importantes para o governo de Jair Bolsonaro. Comentário 15/04/2019
Intervenção estatal na economia - William Waack comenta
Intervenção estatal na economia - William Waack comenta
6 meses atrás
Bolsonaro manda Petrobrás segurar reajuste de preço do diesel, para resolver o dilema entre atender a demandas de caminhoneiros e respeitar a saúde financeira da estatal. Comentário 12/04/2019
Eleições Israelenses - William Waack comenta
Eleições Israelenses - William Waack comenta
6 meses atrás
A vitória de Bibi Netanyahu confirma o fim da solução de dois estados para o conflito árabe-israelense e sugere a existência de um só país, com Israel absorvendo as populações árabes palestinas, um enorme dilema para a sociedade e democracia israelenses. Comentário 10/04/2019
Segunda Live de 2019 - William Waack comenta
Segunda Live de 2019 - William Waack comenta
6 meses atrás
Comentario de William Waack sobre atualidades
O encontro de Guedes, Maia e Alcolumbre - William Waack comenta
O encontro de Guedes, Maia e Alcolumbre - William Waack comenta
6 meses atrás
Num evento para empresários, o ministro da Economia e os presidentes da Camara e do Senado debatem a reforma da Previdência sinalizando convergências políticas. Comentário 06/04/2019
Primeira Live de 2019 - William Waack comenta
Primeira Live de 2019 - William Waack comenta
6 meses atrás
William Waack comenta os acontecimentos.
A briga de Jair e Rodrigo - William Waack comenta
A briga de Jair e Rodrigo - William Waack comenta
6 meses atrás
Legislativo e Executivo estão em briga aberta. Com consequencias para a posição do ministro da Economia, para a capacidade de aprovação de reformas e para a própria governabilidade. Comentário 27/03/2019
Reforma esperando milagre. William Waack comenta
Reforma esperando milagre. William Waack comenta
6 meses atrás
A reforma da Previdência emperra em dificuldades políticas de articulação, palavra que no Planalto passou a ser entendida como exigências de fisiologistas interessados em constranger o novo governo. Governadores criticam falta de empenho do presidente em prol da reforma, enquanto a base governista na Camara continua confusa e aparentemente sem rumo. Comentário 26/03/2019
Êxito ou fracasso de Bolsonaro - William Waack comenta
Êxito ou fracasso de Bolsonaro - William Waack comenta
6 meses atrás
Sucesso ou incapacidade de fazer a reforma da previdência definirão êxito ou fracasso do governo Jair Bolsonaro. O cenário político de desarticulação e leitura errada da realidade no entorno de Bolsonaro estão tornando a aprovação da reforma mas distante e difícil. Comentário 24/03/2019
A prisão de Temer e a Politica - William Waack comenta
A prisão de Temer e a Politica - William Waack comenta
6 meses atrás
Na prisão de Temer, mas não só, os sinais de muita turbulência política, de briga não só entre individualidades da política, mas entre Poderes. Deputados jogam hoje em cima do que continua sendo o principal trunfo de Jair Bolsonaro, a popularidade. Mas a janela para aprovação da essencial reforma da previdência está se fechando. Comentário 21/03/2019
Trump e Bolsonaro 2 - William Waack comenta
Trump e Bolsonaro 2 - William Waack comenta
7 meses atrás
Como vai andar o "reset" das relações entre Brasil e Estados Unidos, celebrado hoje num encontro privado e numa declaração conjunta por Donald Trump e Jair Bolsonaro na Casa Branca? Há pontos concretos que colocam em marcha novamente acordos de cooperação militar rompidos em 1977, as relações comerciais são cercadas de palavras amenas e agradáveis mas os detalhes é que vão decidir, enquanto Bolsonaro prefere deixar no ar se discutiu com Trump uma intervenção militar americana na Venezuela. Comentário 19/03/2019
Trump e Bolsonaro 1 - William Waack comenta
Trump e Bolsonaro 1 - William Waack comenta
7 meses atrás
Bolsonaro e Trump falam em novos rumos para a tradicional relação entre os dois maiores países das Américas, e um resultado concreto, ao final de 20 anos, foi o acordo que permitirá aos americanos lançar satélites comerciais da base de Alcântara no Maranhão. O duelo geopolítico entre China e Estados Unidos já coloca o Brasil diante de um difícil desafio. Piorado pelo circo das brigas internas no governo Bolsonaro levado desta vez ao palco de Washington. Comentário 18/03/2019
Derrota da Lava Jato - William Waack comenta
Derrota da Lava Jato - William Waack comenta
7 meses atrás
Mais do que uma derrota numa disputa jurídica, a Lava Jato sofreu uma derrota política numa ácida queda de braço entre instituições como o Ministério Público e os tribunais superiores, que está longe ainda de ser decidida. Comentário 14/03/2019
Violencia testa o Governo - William Waack comenta
Violencia testa o Governo - William Waack comenta
7 meses atrás
O massacre em Suzano e a investigação da investigação do assassinato da vereadora Marielle e o motorista Anderson no Rio documentam níveis de violência no Brasil que estão cobrando um enorme preço político ao governo, desafiado a mostrar logo resultados ao tratar de segurança pública, criminalidade e crime organizado. Comentário 13/03/2019
As Caras do Governo - William Waack comenta
As Caras do Governo - William Waack comenta
7 meses atrás
As várias faces de um governo dividido em facções, lento na articulação política e agora consumido numa guerra ideológica intestina. Comentário 11/03/2019
O cálculo de Bolsonaro - William Waack comenta
O cálculo de Bolsonaro - William Waack comenta
7 meses atrás
O compartilhamento de um video obsceno e nojento pela conta de twitter do Presidente da República obedece a um cálculo político ainda preso na batalha de ontem, a da guerra cultural, enquanto o governo perde foco e tem de enfrentar uma monumental batalha de comunicação. Comentário 06/03/2019
Venezuela: qual o próximo passo? William Waack comenta
Venezuela: qual o próximo passo? William Waack comenta
7 meses atrás
A ditadura dá sinais de debilidade, mas aposta no desgaste de uma oposição dividida, enquanto o Brasil está ainda muito distante de ser o rabo que abana o cachorro. Comentário 04/03/2019
A tal Agenda Liberal - William Waack comenta
A tal Agenda Liberal - William Waack comenta
7 meses atrás
Uma grande conferência do mercado financeiro em São Paulo passou dois dias examinando as propostas, viabilidade e planos da agenda econômica do governo de Jair Bolsonaro. Participei em vários segmentos como moderador de debates. O evento foi transmitido pelo BRvideo. Aqui algumas dicas de acesso a trechos aos quais me refiro no video. Link do Dia 1: brvideo.net/SxkCscVN9Zc-video.html A longa entrevista com o presidente do BNDES, abordando o dinheiro para ditaduras amigas do PT, a caixa preta, a participação do banco em grandes empresas, a nova política de financiamento para infraestrutura, a política para subsídios. Link do Dia 2: brvideo.net/H9jENaLZTso-video.html A conversa bastante animada entre Salim Mattar, responsável pelo programa de privatizações de Paulo Guedes, e Elena Landau, que trabalhou nas privatizações de FHC. Rápidos e dinâmicos diálogos entre os dois sob uma apreciação crítica: o programa de privatização de Bolsonaro seria tímido demais? Nesse mesmo link o BRvideo está processando neste momento o debate entre três governadores recém eleitos: Ronaldo Caiado, João Doria e Eduardo Leite. O assunto é reforma da previdência e a articulação política para aprovação das medidas. A captação e transmissão ocorreram sob a responsabilidade dos organizadores do evento do BTG Pactual
Hora da Diplomacia - William Waack Comenta
Hora da Diplomacia - William Waack Comenta
7 meses atrás
Grupo de Lima adota postura comum que exclui intervenção militar na Venezuela, programa sanções mais duras, maior isolamento internacional e lenta asfixia da ditadura chavista. Comentário 25/02/2019
Estamos numa fria - William Waack comenta
Estamos numa fria - William Waack comenta
7 meses atrás
A crise venezuelana nos obriga a agir e não sabemos ainda exatamente como fazer para Maduro ir embora o mais depressa possível. Teremos de enfrentar pressões de Washington também. Comentário 24/02/2019
Como se derruba Maduro? - William Waack comenta
Como se derruba Maduro? - William Waack comenta
7 meses atrás
Brasil é parte de uma grande coligação internacional orientada para tirar Maduro do poder, mas o ditador não quer cair de podre. Comentário 21/02/2019
A batalha da Previdência - William Waack comenta
A batalha da Previdência - William Waack comenta
7 meses atrás
Governo entra forte para ganhar a batalha da comunicação sem a qual será muito difícil a articulação política para aprovar a reforma da Previdência, que é necessária porém não suficiente para fazer o Brasil crescer e gerar prosperidade. Comentário 20/02/2019
Macumba e Bolsonaro - William Waack comenta
Macumba e Bolsonaro - William Waack comenta
7 meses atrás
Não precisa de mágica alguma para explicar primeira derrota do governo na Camara: é só olhar para a confusão política causada pelo próprio governo. Que apresentou importante pacote anti crime e trouxe um profissional para liderar suas forças no Senado. Comentário 19/02/2019
Devorando crianças - William Waack comenta
Devorando crianças - William Waack comenta
7 meses atrás
Gustavo Bebianno é a primeira vítima de um movimento amplo que está consumindo seus iniciadores, num confronto político que fortalece o núcleo militar no governo Jair Bolsonaro, enfrentando o desafio de lidar com as crises do crime e fiscal ao mesmo tempo. Comentário 18/02/2019
Fritura - William Waack comenta
Fritura - William Waack comenta
8 meses atrás
Ministro fritado, ministro prestigiado, confusão política, confusão entre Palácio de governo e cozinha de casa. Comentário 15/02/2019
Leite e Laranjada - William Waack comenta
Leite e Laranjada - William Waack comenta
8 meses atrás
Agenda liberal já bate de frente com a questão de subsídios, incentivos e proteções -- para o leite, por exemplo -- enquanto o filho do presidente lava roupa suja em público na questão de candidaturas acusadas de serem laranjas. Comentário 13/02/2019
Homenagem a Boechat
Homenagem a Boechat
8 meses atrás
Nossa grande tragédia - William Waack comenta
Nossa grande tragédia - William Waack comenta
8 meses atrás
Complacência é um dos nossos maiores problemas, e que ajuda a explicar, ainda que não ajude a entender, várias das nossas tragédias. Comentário 08/02/2019
A verdadeira condenação de Lula - William Waack comenta
A verdadeira condenação de Lula - William Waack comenta
8 meses atrás
As urnas é que decretaram a condenação política de Lula, um personagem sem caráter que ao pensar apenas em si mesmo ajudou até os adversários. Comentário 06/02/2019
Crime e Dívida - William Waack comenta
Crime e Dívida - William Waack comenta
8 meses atrás
Governo Bolsonaro começou hoje dizendo a que veio: combater o crime e a dívida. Plano anti crime é objetivo, concatenado e preciso, o da reforma da previdência ainda espera pelos decisivos detalhes. Comentário 04/02/2019
Congresso e Bolsonaro II - William Waack comenta
Congresso e Bolsonaro II - William Waack comenta
8 meses atrás
Senado sai desmoralizado e ressentido com Judiciário e Executivo. Bolsonaro terá vida mais fácil na Camara. Comentário 02/02/2019
Governo e o Congresso - William Waack comenta
Governo e o Congresso - William Waack comenta
8 meses atrás
Governo Bolsonaro tem bom resultado na Camara dos Deputados com político "velho", mas no Senado a manobra para impedir o "velho” Renan Calheiros de se reeleger presidente da casa cria confusão. Comentário 01/02/2019
TÜV e a Vale - William Waack comenta
TÜV e a Vale - William Waack comenta
8 meses atrás
Tragédia ameaça transformar "desregulação" em palavra maldita. Empresa privada alemã que vigia normas técnicas e legais encontrou no Brasil ambiente institucional que facilitou o acidente. Comentário 30/01/2019
Brumadinho e o governo Bolsonaro - William Waack comenta
Brumadinho e o governo Bolsonaro - William Waack comenta
8 meses atrás
Rompimento da barragem levanta discussão sobre economia e meio ambiente, e trará dificuldades políticas nas propostas de licenciamento ambiental. Comentário 28/01/2019
Três crises para Bolsonaro - William Waack comenta
Três crises para Bolsonaro - William Waack comenta
8 meses atrás
Brumadinho, Venezuela e Flavio colocam o governo sob severo teste. Confiança é a palavra chave. Comentário 25/01/2019
Crise da Venezuela vira crise internacional - William Waack comenta
Crise da Venezuela vira crise internacional - William Waack comenta
8 meses atrás
Como derrubar a ditadura de Maduro testa a liderança dos Estados Unidos, do Brasil, e faz países como Rússia, China e Turquia se articularem para exigir mão livre em suas áreas de influencia. Comentário 24/01/2019
Dora Borges
Dora Borges - 11 minutos atrás
... Sou muito leiga no assunto, mas se o pobre parar de ajudar com o pouco que ganha (estamos acostumados com nossa vida de pouco ganho) os grandes vão se ferrar... Pq não sabem viver com pouco 🤔 por mim 🤷‍♀️ que se danem
milton miltin
milton miltin - 36 minutos atrás
bolsonaro estar fasendo um belo governo a penas 10 meses
eli antoine
eli antoine - 54 minutos atrás
Agradeço a informação. Te ouvir sempre vale...
Fernando Santos
Fernando Santos - Hora atrás
O brilhante William Wack já disse inúmeras vezes, relações entre países são estratégicas, não há amizade (nem deveria). Se um democrata assumir o lugar do Trump? E se até mesmo um político do partido republicano, crítico ao Trump (não são poucos) assumir o lugar dele, como fica a amizade? Aliás, sou crítico de relações com base em amizade até mesmo nas empresas, o profissionalismo deveria estar acima de tudo!
Alberto Alves
Alberto Alves - 2 horas atrás
Eu discordo! Vc uniu eventos desconexos para corroborar com sua narrativa: Trump está sendo coerente com suas promessas de campanha e isso não é novidade pra ninguém! Ele não pode ser responsabilizado por alianças feitas por terceiros em épocas onde o contexto era outro! No caso do Brasil na OCDE, Trump continua sendo o mesmo. O apoio ao nosso país não foi abalado, apenas a fila está sendo respeitada! A meu ver, vc parece que está tentando passar a ideia de que Trump muda de opinião e isso não é verdade! Se as decisões dele divergem das de presidentes americanos anteriores não é nem de longe, argumento para dizer que devemos desconfiar do posicionamento político de Trump a respeito do Brasil!
Antoine Vallenoir
Antoine Vallenoir - 2 horas atrás
Eduardo não vai virar embaixador vai ser ministro do exterior e o atual ministro é quem vai para a embaixada dos EEUU. Quem viver verá.
Antoine Vallenoir
Antoine Vallenoir - 3 horas atrás
WW! 👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏
Antoine Vallenoir
Antoine Vallenoir - 3 horas atrás
Foi declarar I Love You para o lobo mau e levou outra facada. Só pode ser masoquista!
Fernando Godoi
Fernando Godoi - 3 horas atrás
Bolsonaro e seu imenso complexo de inferioridade! Só isto justifica a subserviência. A quem por base se sente um mendigo, nada mais balsâmico do que se sentir amigo do Rei. (não importa se milionário ou President"o") Lamentável a situação brasileira.
Jose Euzebio Batista Filho
Jose Euzebio Batista Filho - 4 horas atrás
Lula falou verdade ao dizer que americano só pensa em americano em primeiro lugar, segundo, terceiro e se sobrar tempo americano também.
Al Az
Al Az - 5 horas atrás
Não é o Trump nem países. As pessoas são assim.
Talisson Goet
Talisson Goet - 5 horas atrás
Joga tudo nas costas dos PM e professores. A culpa é sempre deles, mesmo. Os salários estratosféricos não são problema.
kurocola
kurocola - 5 horas atrás
temos que adotar a poiitica do MY WAY , somos grande soh falta a coragem .
João Luiz Ribeiro
João Luiz Ribeiro - 6 horas atrás
Quando se há interesses financeiros ou estratégicos, nem entre familiares há irrestrito apoio. A partir do momento que você não é tão mais interessante para mim, vamos rever nossas posições. Vocês acham que fui duro e sem princípios? Sinto muito mas está é a realidade da vida. Pessoal, profissional ou política. Por isso, se apoiar muito em alguém pode te derrubar independe do grau de relação.
marisa
marisa - 6 horas atrás
Aquela história Qdo vc esta na segunda série e se apaixona pelo professor pq o admira mas ele sempre vai te olhar como uma criança inocente 😁
Paulo Kuster
Paulo Kuster - 6 horas atrás
Péssima comparação. No caso do Brasil e EUA o Interesse é mútuo. Uma aliança pela direita nas Américas. A sua geopolítica está com poucos argumentos.
Shigeki Takeshita
Shigeki Takeshita - 6 horas atrás
é a segunda vez q os EUA deixam os curdos a própria sorte. a primeira em 91, após a 1ª Guerra do Golfo, onde o Saddam pôde fazer de tudo com o povo em matéria de vingança. Agora é isso, só q dessa vez, o atacante foi a Turquia.
Manuel de Lima Bass
Manuel de Lima Bass - 6 horas atrás
Graças a Deus que os EUA existe, já pararam pra pensar o que seria o mundo se não fosse os EUA? Um mundo Socialista, Comunista, Ditatorial...talvez ainda existisse o Nazismo! Países possuem interesses, o interesse do país é muito maior do que palavras...Olha o Brasil que estava se afogando na corrupção por interesses particulares, partidários e ideológicos e não pelo interesse da Nação!
Adriano Castro
Adriano Castro - 6 horas atrás
DISCORDO ELE FEZ PORQUE ERA COMPROMISSO DELE DE CAMPANHA ESTÁ CUMPRINDO O PAPEL COISA QUE POLÍTICO NENHUM NESSE PAÍS FAZ
Maia P
Maia P - 6 horas atrás
Aí pessoal. Dou duzentos gramas de mortadela de 1ª para o primeiro esquerdopata que conseguir escrever três palavras sem errar uma. Meu Deus!!!! Como tem analfabeto funcional por aí. Eles acham que só porque têm um "smartphone", já sabem falar e escrever. Se caírem de quatro, não levantam nunca mais. Kkkkkkkk
Nathália M.
Nathália M. - 7 horas atrás
Poxa não deixaram a moça falar. Ela era o único contra ponto a discussão do voto distrital.
Silas Costa Ferreira Junior
Silas Costa Ferreira Junior - 7 horas atrás
Espero que esse episódio da OCDE, que na verdade tem pouco benefício imediato e não é crucial, sirva para que o Bolsonaro aprenda sobre o funcionamento da diplomacia e relações internacionais.
Savio Paiva
Savio Paiva - 7 horas atrás
Esse governo brasileiro, incluindo o Ministério das Relações Exteriores, movem as peças do xadrez das relações internacionais de forma amadora e mais ainda, irresponsável.
Alexandre Gomes
Alexandre Gomes - 7 horas atrás
Não adianta explicar nem mesmo desenhar para os apoiadores do Presidente. Eles vão sempre apoiar o Trump e tomar no curdistão.
Carlos Augusto Erthal
Carlos Augusto Erthal - 7 horas atrás
Governar é para os fortes e preparados. America First. Se o Curdistão quer ser independente, que lute pelo sonho. A Europa também é muito grandinha para confrontar a Russia. AS e seus aliados sunitas são muito mais bem armados que o Irã. Video esquece dos fatos e abraça a histeria, não há nada mais moderno que isso.
Carlos Durski
Carlos Durski - 8 horas atrás
Na minha opinião, Trump estava diante de uma encruzilhada: apoiar os curdos ou restabelecer relações com os turcos. Optou pelos turcos. Qualquer líder norte-americano faria isto.
Nancy Carvalho
Nancy Carvalho - 8 horas atrás
America First!!! Trump First!!!
IceStorms
IceStorms - 8 horas atrás
Você está em curva descendente mesmo William, lastimável seus comentários.
DNA Vocacional
DNA Vocacional - 8 horas atrás
Parabéns WW, queria ver a cara dos maiores adoradores do Trump agora, Bolsonaro e seus filhos! E ainda os filhos do presida vai nos EUA fazer propaganda política pra ele, com boné, camisa, patéticos ao extremo!!!!
Roberto Pozzer
Roberto Pozzer - 8 horas atrás
Bolsonaro baba ovo do Tramp
Fabiana Castello Branco
Fabiana Castello Branco - 8 horas atrás
É o bozoganistão o reinado do Bozo .... ....
Edna Rodrigues
Edna Rodrigues - 8 horas atrás
Se Eduardo virar embaixador vai levar f..... também.
saint seya
saint seya - 8 horas atrás
Ja havia dito: votamos nesse governo para por o Brasil em posiçao melhor SEM ideologias! Dai começa o governo achar que é amigo dos Eua. EUA teriam interesse em ter outra superpotencia na America? Esse governo já esta passando ridiculo! Fica tomando ferro da Europa ocidental e Eua. Ja falei: a Asia está ai. É enorme, tecnologica, rica, lider. Já passou da hora do Brasil ir na Asia e isso quer dizer os BRICS e fechar acordos estrategicos. O ocidente vem descendo a ladeira. Já vi gente negando. Ok. Mas o Brasil esta ficando para tras e se associar a Asia era a chance de estar ao lado dos novos lideres. Isso nao anula a contribuição ocidental para todas as civilizacoes. Obvio que nao. Mas já há a constatacao que o Ocidente como foi no auge ja era ( A estranha morte da Europa... dentre outros livros confirmam). Agora é focar na Asia. Alguem ai tem de falar isso com 01,02,03 para ver se chega no presidente... - Trump deixou Abe se lascar falando que os misseis sul correanos estavam de bo. O Abe ficou com cara de tacho. E o japao esta meio que ferrado sem apoio americano. Precisa ficar se sujeitando... - Trump abandonou os curdos para nao perder erdogan. Perdeu agora os curdos para a russia-siria. A turquia agora que vai ficar enrolada. Sirios-curdos e russos juntos... - Trump abandonou brasil na ocde
Marlon Alcântara
Marlon Alcântara - 8 horas atrás
Absurdo o que foi feito com os curdos. Tragam o troféu traidor do ano pra ele.
Empresária Empreendedora
Empresária Empreendedora - 9 horas atrás
Quem fez acordo com os curdos?🤔
Simone Silva
Simone Silva - 9 horas atrás
Você falando do Brasil em palestra por ai,...me da até frio na barriga, as tuas falas não acrescentam em nada. Só sabe criticar e exaltar os defeitos do governo. Não tem afinidade nem amizade com ninguém...pra por pra baixo o Brasil já não tem o suficiente sr. WW. Você não faz falta nenhuma no cenário político.
Ciro Sobral
Ciro Sobral - 10 horas atrás
William, algumas fontes indicam que os EUA fizeram apenas um recuo das regiões mais ao norte da Síria. De modo similar, os EUA apoiam o INÍCIO do processo de entrada do Brasil na OCDE, posicionamento reafirmado pelo próprio Donald Trump em seu twitter. Sem dúvidas países não tem amigos, tem interesses e eventualmente, aliados. No entanto, misturar posicionamentos táticos com estratégicos é uma falha na análise da situação. Estrategicamente, os EUA se beneficiam em ter apoio militar no oriente médio, como o dado pelos curdos. Isso não é uma questão ideológica, tanto que, o acordo dos EUA com os curdos foi selado pelo ex-presidente democrata Barack Hussein Obama. No entanto, a forma de abordar a questão pelo atual presidente é diferente da forma de seu antecessor. Para Trump, a melhor abordagem é a econômica, não a militar. Ele teve, inclusive, como uma de suas promessas de campanha a retirada das tropas das zonas de conflito. De forma similar, os EUA, pela necessidade de usar de meios econômicos para pressionar adversários, os EUA necessitam de parceiros comerciais fortes. Desse modo, não faz sentido os EUA retirarem apoio às economias de países próximos, como o Brasil e a Argentina. Argentina que inclusive, está em vias de dar uma guinada à esquerda, e talvez esse movimento dos EUA em priorizar o caso argentino, seja para evitar a consumação de tal fato. Sei que és inteligente, e um analista experiente, mas infelizmente algumas rusgas que tens com o atual governo parecem tirar-lhe o foco em algumas das últimas análises que tem feito.
Aureo Faé
Aureo Faé - 10 horas atrás
William faça umas aulas lá com o Alexandre García pra aprender a fazer jornalismo de verdade
Sandra Valeriote
Sandra Valeriote - 10 horas atrás
Sr. William, em dezembro 2017, estava em um lugar quando escutei saindo de dois amigos, negros, a seguinte observação: “Só podia ser preto (...)!” Olhei bem na cara dos dois e disse: “Por acaso vocês estão sabendo que uma das mentes mais brilhantes do nosso jornalismo está sendo crucificada por conta disso que vocês dois [negros] estão falando? Que estão sem conseguir perceber que destruindo ele por conta de um episódio, estarão destruindo também uma mente riquíssima de conhecimentos, informações, que tende a nos beneficiar?” Bem, como discordei do que fizeram com o sr., também preciso discordar dessa comparação entre a situação do Curdistão x Brasil, pois, eu acho perigosa a ideia de tudo sendo colocado num só pacote. No mais, parece importante levar em consideração que pelo fato do nosso país ter passado muitos anos sem precisar enfrentar um conflito nacional sério: tendo que olhar para falências, falta da abundância financeira, etc, isso pode ter acentuado e/ou gerado noção de soberba. É vergonha pedir? Não pode correr o risco de receber um não? O não virou sinônimo de humilhação? Vamos manter alianças com Cuba, Venezuela, Moçambique? Eis a questão: Se tivesse se tornado presidente o Ciro Gomes, ou o João Amoêdo, estariam eles decidindo adiar por mais um tempo a necessidade de lidarmos também com a humildade, usando o recurso da criação ou aumento de impostos? Enfim, eu acredito que também é questão de honra ter a coragem de pedir, saber admirar as conquistas dos outros, buscar o que é bom para tentar ter o bom também. Quando ao Trump, a meu ver, parece importante não confundir o temperamento dele com o que é a característica dos EUA. Ele, um republicano, não está tendo ações diferente de quem já esteve na presidência como democrata. A impressão é que independente de quem esteja na presidência dos EUA, o rabo é sempre movimentado agilmente para ninguém conseguir pisar.
Alexandre Carlsen
Alexandre Carlsen - 10 horas atrás
Adoro o w.w. mas esses aí...meu Deus estamos fritos.
Carmelia Silva
Carmelia Silva - 10 horas atrás
PALAVRAS CONFUSAS! QUEM TE PAGA WW ? NOM ?
Yuri Mendes
Yuri Mendes - 10 horas atrás
Não se pode confiar no Trump... simples assim
César Ruschel
César Ruschel - 11 horas atrás
Francamente Willian, você já viu Porcos fazendo Faxina no próprio Chiqueiro?
Davi Calixto
Davi Calixto - 11 horas atrás
OS EUA demonstraram que não são de confiança , Trump mostrou a que veio . . Acho bom o Brasil desenvolver seu poderio belico e aliança militar com Russia/China . Tanto Americanos quanto Europeus já demonstraram explicitamente interesse na Amazônia. Cito aqui Eventos recentes e em desenvolvimento; Corredor Triplo A, Sanções Europeia contra Brasil, Sinodo da Amazônia, Macron e Trudeau querendo invadir Nosso País, Greta Thumberg e etc. Infelizmente precisamos dar um Salto em tecnologia militar e alianças para garantir nossa sobrevivência, e isso independe de ser esquerda ou direita.. Antes de tudo o nosso solo é Brasileiro.
Tiago Pirata
Tiago Pirata - 12 horas atrás
O presidente é desprovido de inteligência, ele não vai entender isso.
izabel chang
izabel chang - 12 horas atrás
Quem é o acessor do Bolsonaro? R= Olavo de Carvalho Então o Bolsonaro não entendeu......
FatNerd
FatNerd - 12 horas atrás
Está pergunta é irrelevante ! ( precisão do poderio bélico e econômico dos EUA e isto é um fato !) quando um país é atacado e não dá conta de se defender , vai recorrer a quem !? Só quê aliados a party , está ajudas dos Americanos sai do bolso deles e as vidas dos soldados também ! Más os EUA não querem ser encosto des ninguém mais .
Henrique Garcia
Henrique Garcia - 12 horas atrás
melhor debate até hj!!! falando realmente do que pode mudar o país. tá de parabéns!!!!
Rodrigo Serra
Rodrigo Serra - 12 horas atrás
O mito do "meu amigo" só existe no Brasil... lá fora muitas vezes é visto como sinal de fraqueza intelectual ou corrupção de caráter.
Guilherme Checchia
Guilherme Checchia - 12 horas atrás
Opa! Qual seminario? Estou em Barcelona e gostaria de ver!
Alfredo Lopes
Alfredo Lopes - 12 horas atrás
O Presidente Bolsonaro está Viajando na lua como é que um sujeito como o Trump con desvios morais éticos sen Nenhuma instrução etc Vai cumprir seus acordos ! Ainda mais com un país como o Brasil que ten un Presidente que não Valoriza o seu próprio País e coloca os Interesses da nação en segundo plano sen falar que a todo Momento desrespeita a população con Piadas de Mau gosto ! .
Fernando Vieira
Fernando Vieira - 12 horas atrás
Excelente programa...parabéns Wilian
Claudia Lima
Claudia Lima - 13 horas atrás
2 milhões de pessoas expostas ao perigo, 200 mil foram mortas, milhares fugiram de suas cidades abandonando suas casas, grupos tenebrosos ameaçam ressurgir. . . E tudo isso acontece porque as tropas foram embora. Seres humanos estão precisando de ajuda agora.
Flavio Brandão
Flavio Brandão - 13 horas atrás
Diplomacia é um jogo de interesses! Quem disse que acreditamos cegamente nos americanos meu caro???
Ivair Pereira
Ivair Pereira - 14 horas atrás
Espero q esses bolsominons q vem aqui peçam mais patriotismo desse nosso presidente boçal.
Haneen Oak
Haneen Oak - 14 horas atrás
Até aí, nada de novo. Política é exatamente isso : alianças temporárias, enquanto os interesses durarem. Com Trump ou com qualquer outro governante .
rose afonso
rose afonso - 14 horas atrás
Brasil está assim pq quem palestra sobre investimento externo no Brasil é WW kkkkkkk. Brasil precisa de pessoas q invistam debatendo esse assunto, Brasil precisa de economistas/ administradores sendo cabeças pensante , cadê os economistas? Cadê os Empresários? Brasil hj precisa de menos jornalistas e mais corpo técnico.
Will Lima
Will Lima - 15 horas atrás
Se fosse um democrata globalista no G7, a agenda de Macron sobre a internacionalização da Amazônia estaria na ONU para ser votada. Como entender a história na Síria? O globalista Barack Obama e alguns países globalistas europeus têm rebeldes armados para derrubar Bashar Al-Assad. A Rússia se juntou a Bashar Al-Assad e conseguiu proteger Damasco. Os EUA mudam de governo com D. Trump, um presidente anti-globalismo, e retiram suas tropas da Síria. Normalmente, os EUA estavam defendendo os interesses da UE. E o que Macron fez no G7? Macron convidou países que desagradam D. Trump, Irã, por exemplo. Então, por que gastar bilhões em interesses da UE? 'Europa e Bashar Al-Assad "do diabo ao anjo" Você sabe por que essas histórias são construídas? Guerra verbal: Macron rebate Bashar após crítica de apoio ao terrorismo em 19-12-2017. "É por isso que as críticas são inaceitáveis" porque "se alguém lutou e pode ganhar até o final de fevereiro, a coalizão internacional", acrescentou. "O povo sírio tem um inimigo, que se chama Bashar al-Assad", disse ele, referindo-se aos milhões de sírios que fugiram de seu país desde a revolta reprimida em 2011, no rescaldo da Primavera árabe. Segundo o presidente francês, "se queremos construir um processo de paz que conduza à estabilidade, temos que colocar as partes interessadas ao redor da mesa".Bashar al-Assad disse na segunda-feira (18) que "a França tem sido o suporte padrão do apoio ao terrorismo na Síria desde os primeiros dias do conflito.” Ele estava se referindo ao apoio de Paris aos rebeldes que lutaram contra seu regime desde 2011 e que Damasco chama de "terroristas"
Luciano Barroqueiro
Luciano Barroqueiro - 15 horas atrás
Os eua sao concorrentes dos produtos brasileiros. Hoje o maior parceiro brasileiro eh a China. O Brasil devia olhar pro mercado indiano, claramente em evolucao e reforcar o apoio da China
carlos santos
carlos santos - 15 horas atrás
Pessoal não fique preso a opinião de ww porque como entendido em geopolítica ele fica muito a deseja no canal casando verbo vc's teram uma visão mas ampla das decisões do Pres.. americano sobre o oriente médio
Veríssimo Gomes
Veríssimo Gomes - 15 horas atrás
trump i love you. trump i love you. trump i love you. trump i love you. trump i love you. trump i love you. trump i love you. trump i love you. trump i love you. trump i love you. trump i love you.
Otamar Lima
Otamar Lima - 15 horas atrás
Ele wack se contradiz quando diz que na geopolítica não existe amizade,e agora analisa se Trump tem palavra ou não, lembro o Brasil vale bem mais que o curdistão.
Rudson bueno de Albuquerque bueno
Rudson bueno de Albuquerque bueno - 16 horas atrás
tramp sò vê seus interesses próprios .
Luciano Pedro
Luciano Pedro - 16 horas atrás
Conflitos só servem pra aumentar, o consumo de armas bélicas no mundo, nada mais que isso, se não dá lucro pra que continuar. Sempre foi é sempre será.
Luciano Mafra
Luciano Mafra - 16 horas atrás
Você se perdeu, WW. Menos um inscrito.
Meu Universo Extremo
Meu Universo Extremo - 16 horas atrás
Trump parece o Ruivo Hering
zeus
zeus - 16 horas atrás
queria ver a cara dos bolsaminons q gritaram as 4 ventos q se eles chupansem a rola do trump o brasil viraria potencia mundial kkkkkkkkkkkk
Rodrigo Testi
Rodrigo Testi - 16 horas atrás
Fala do Bolsonaro idolatrar o Trump, mas votou no Haddad, aquele que idolatra o Karl Marx, e até escreveu um livro sobre uma obra dele. Papai Noel tá vendo isso aí, hein?
René PR
René PR - 17 horas atrás
America always first for Americans. Sou seu fã, nos últimos vídeos tenho discordado, mas esse vc foi preciso, entregamos a Embraer, a base de Alcântara e tomamos um carretilha. Agora só resta ao nosso presidente fazer a cara de que caiu do caminhão de mudança.
Cesar J Lisboa
Cesar J Lisboa - 17 horas atrás
William , finalmente uma analise PERFEITA do comportamento do Trump. Este eh o Trump, e o Presidente Bolsonaro, precisa aprender a utiliza-lo da mesma forma, que ele nos usa: somente quando precisa.
Roberto Fonseca
Roberto Fonseca - 17 horas atrás
William está conseguindo atrair a esquerdalha toda nós comentários,CNN aquela emissora esquerdista está ficando o pau nos brazukas com ajuda do WW.
MANOEL CUNHA
MANOEL CUNHA - 17 horas atrás
Afinal, essa adoração do Bozo pelo Tramp é hétero ou homo? Cabe essa indagação, pois quem no calor da adoração mandou " um I love yuo" para o bicho velho!!
Roberto Fonseca
Roberto Fonseca - 17 horas atrás
CNN já entrou em você heim William, lamentável.
Mario Sergio Labussiere Mariano
Mario Sergio Labussiere Mariano - 17 horas atrás
Alguém explica isso pro imbecil falastrão Capitão Cueca Coprofágico BozoChavista, por favor ! Ah não, deixa. O retardado nunca vai entender mesmo. O caos se instalou na República.
elvis zanluca
elvis zanluca - 17 horas atrás
WW vai distribuir mortandelas com o dinheiro da NWO.
Erik Campos
Erik Campos - 17 horas atrás
Terra para Waack, terra para Waack, na escuta? Análise completamente fora da realidade, pra começar o Curdistão nem existe! E outra, nenhum imbecil no mundo trocaria um país que é potência bélica na Europa por um povo dividido que nem país tem, toda essa balela da OCDE já foi desmentida pelo próprio Trump.
ricardo portes correa
ricardo portes correa - 17 horas atrás
ótimo e contundente comentário
JOSÉ CARLOS
JOSÉ CARLOS - 17 horas atrás
Meu Pai Willian só fala besteira
Rezende
Rezende - 17 horas atrás
Isso pode ser verdade que Jair Bolsonaro tem mais do que uma admiração pelo Trump, mas presidente Dilma Rousseff e Lula e tinha também, Maduro, Fidel Castro, e vários ditadores do Oriente médio, dando uma condecoração a Fidel que isso era extremamente errado na ordem militar, o que vocês acham isso? Pensem direito, William e admiro você, mas... também tem suas falhas.
Wagner Pires
Wagner Pires - 17 horas atrás
Se eu não me engano, isso de tirar as tropas da Síria foi promessa de campanha de Trump, ou seja, Trump está defendendo o dinheiro do contribuinte americano, tirar as tropas de lá já era esperado. Agora que eu também achei que não poderia tirar as tropas de lá, afinal, foi esse povo que praticamente destroiu o grupo terrorista da okaida, poupando muitas vida américas de ir lá lutar contra esses terroristas.
MR'
MR' - 17 horas atrás
Tenso!
Valmor Souza
Valmor Souza - 17 horas atrás
É melhor ser amigo do Tramp do que ser amigo de Maduro. Até os esquerdistas preferem os EUA do que Venezuela, cuba...
Super Hiper
Super Hiper - 17 horas atrás
Parece que o Trump não entendeu bulhufas o inglês do "embaxador" - KkkkK!"
Z eus
Z eus - 18 horas atrás
Os Curdos são iguais os israelitas antes de criar os estado de Israel. Povo Guerreiro.
johnson nascimento
johnson nascimento - 18 horas atrás
"Jair Bolsonaro tem pelo Trump mais que uma admiração, é quase uma adoração". Essa doeu...
Rmil
Rmil - 18 horas atrás
Kkkkkkkkkkkkkkkk Lula cansou de dizer isso em suas entrevistas lá da cadeia. Os americanos só pensam neles mesmos, pq são nacionalistas, pragmáticos e realistas. Entreguista cretino é Bolsonaro chupa ovo.
Jr Nog
Jr Nog - 18 horas atrás
"Curdistão" será o que vai acontecer no Brasil, se implantarem o Corredor Triplo na nossa Amazônia !!!!
Georg Simon Ohm
Georg Simon Ohm - 18 horas atrás
O Bozó baba ovo.
Gerson Castelar
Gerson Castelar - 18 horas atrás
qualquer um que conhece a biografia do sujeito, os métodos de como foi construída a Trump Tower, guardariam distância segura dessa raposa!
Daniel Gomes
Daniel Gomes - 18 horas atrás
Isso mesmo. Curto e grosso. Melhor "já ir se acostumando..."
C J
C J - 18 horas atrás
Apagou meu post William? São sua palavras... " ESTÁ BUZINANDO PORQUÊ SEU M3RD4 DO C4C3T3, PR3T0 RSRSRS DEVE SER PR3T0, ISS0 E COISA DE PR3T0 " WILLIAM WAACK
Maia P
Maia P - 18 horas atrás
Depois que vi o WW achar normalíssimo o fato do Huck e do Dória terem comprado seus jatinhos a juros subsidiados pelo BNDES que são pagos com o suor dos nossos rostos, nada mais do que ele diz me surpreende.
George Ferraz Pereira
George Ferraz Pereira - 18 horas atrás
Torcendo contra...
allan Oliveira
allan Oliveira - 18 horas atrás
A política do Trump, é cada um por si, dê algo a ele, e talvez consiga quase nada.
Laercio m
Laercio m - 18 horas atrás
Sou um caipira q tem internet agora. Mas posso escrever mesmo q errado. Falou ai em trair antigos aliados. Mas a Turquia e um país com um povo é um país com fronteiras definidas tem uma grande força bélica. Os turcos tem interesse q bate de frente com o povo curdo q ñ tem nem um país. O apoio aos curdos e bater de frente com turcos um conflito q empuraria a Turquia p as mãos da Rússia onde o conflito iria ser a nível mundial e ñ local. Recomendo quem ler esse comentário ir no canal arte da guerra. Abandonar um aliado nunca é bom mas quando seu aliado quer te lançar em um conflito onde vc só irá lutar em uma luta q vc ñ tem interesse incomum ñ vale sacrificar a vida de seus soldados e nem o bolso do pagador de impostos. Guerra custa caro é também vidas lutar é preciso mas quando tem sentido p si.
Werther
Werther - 18 horas atrás
"Países não tem amigos e sim interesses" Excelente frase!
Augusto Programmer
Augusto Programmer - 18 horas atrás
Bolsonaro é mulher de malandro e esses bolsonecas realmente acham sensacional ficar babando ovo de EUA achando que a superpotência vai querer andar conosco na "hora do recreio". Taí a resposta...
MC's Creations
MC's Creations - 18 horas atrás
Lembre-se WW: o Trump quer o Nobel da Paz.
Tina C
Tina C - 18 horas atrás
pronto... só pq o William fez uma análise que não é a favor do Bolsa( sem nenhuma clara intenção de defender ninguém a não ser o de analisar questões geopolíticas de forma menos emotiva) que alguns retardados acham que ele é a favor da esquerda.. pelo amor de Deus 🤦 o que tem de gado tem de asnos nestes comentários.. ninguém merece estes" migalheiros " de partidos ou de ex candidatos . eu não acho Trump grandes coisas e ainda o considero menos liberal do q se vende, além de ter uma lavação de mãos por debaixo dos panos com o Putin, né? estes dois não enganam ninguém. terceira vez q os curdos "são deixados para trás".. e confiaram nos Estados Unidos cegamente... tá "xertu".
Øttø
Øttø - 18 horas atrás
Quem fez acordo com os curdos foi democrata Obama, Trump é republicano, oposição portanto. É característico de democracias, feitos serem desfeitos com a mudança de governante, quem faz acordo com governos democráticos sabe disso. Pense: o Brasil teria por obrigação continuar enviando dinheiro para Cuba, Venezuela e Angola com Bolsonaro no poder?